Arquivo do autor:Fernanda Casagrande

Sobre Fernanda Casagrande

Meu nome é Fernanda, moro no Rio de Janeiro e amo escrever! Tenho 3 livros, mas os guardo em sigilo e não gosto de deixar ninguém ler. Quero ser jornalista e sonho em ser uma grande escritora de livros voltados para o público jovem.

Refúgio

é para onde eu fujo.
Dentro de você
sem me prender.
Gosto dessa liberdade,
mas me mato pela saudade.
Nada me faz esquecer
os momentos que passei com você.
Talvez, você não acredite,
mas te juro por tudo o que me permite.
Não precisa duvidar,
eu também nunca soube o que é amar.
Eu sei,
é tudo muito novo,
mas nunca pensei
em abandonar o louco.
Longe de casa,
me encontro debaixo de suas asas.
Não me deixe aqui
se precisar partir.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

noname

Sempre me questiono em como cheguei até aqui. Não. Não no sentido biológico e sim, no espiritual. São tantas pessoas, personalidades e vidas passadas, que me deixa curiosa pensar que já estivemos em outro corpo. Não é que eu seja religiosa, mas eu até tenho as minhas convicções de que tudo isso aqui tem um sentido e que não estamos perambulando sem uma direção e propósito. Eu sei. Sou um pouco complicada demais para ser entendida assim em apenas um parágrafo, ou até mesmo em um livro. Se nem eu mesma me entendo, como posso querer que alguém veja, nessa confusão de fios de telefones embolados, apenas uma resposta?!
Por ter a certeza de que ninguém nunca irá compreender meus pensamentos, eu vivo mentindo. Gosto de mentir coisas bobas e insignificantes como aquilo que eu comi no café da manhã, mas acabo me desmentindo na maioria das vezes. Comecei fazendo de brincadeira, mas é ironicamente engraçado como todo mundo acredita e nem questiona e, às vezes, até eu mesma acredito nelas. Por que? Acho que consigo passar confiança naquilo que falo, ou aquela informação é completamente inútil e as pessoas nem se dão ao trabalho de procurar saber se realmente é verdade. Pode ser também que aquilo se repete tanto que você apenas aceita como uma verdade. Muitas coisas na vida cotidiana funcionam assim. É estranho, porém completamente verídico. Acreditamos e aceitamos tudo sem nem ao menos buscar alguma prova de que o fato realmente tenha acontecido.
Um dia, minha professora de sociologia no ensino médio deu uma aula toda baseada nos conceitos de um sociólogo que ela mesma tinha inventado. Achei muito perturbador passar por esse tipo de experiência, porque me fez questionar tudo aquilo que eu já tinha aprendido na vida. E se 2+2 não for igual a 4?! Mas, de certa forma, me fez expandir horizontes e me tornar uma pessoa questionadora até demais. Parte da minha escolha de profissão se deu ao fato de que eu quero ter provas para acreditar nas palavras alheias e compartilhá-las, já que não tem a menor graça em saber uma informação sem poder dividí-las com os outros.
Sei lá. Eu gosto de pensar diferente e um pouco mais para fora da caixa em que somos colocados dentro dessa sociedade e posso afirmar que me esforço, cada vez mais, para ficar completamente para o lado de fora. Confesso que acabo me contrariando, muitas vezes, por viver em uma mente liberal, mas com ideais conservadores. Acho que isso faz parte da educação que nos é passada e nem digo que seja necessariamente de casa ou colégio.
Estudei em uma escola que me preparou para a vida e não só para um vestibular, apesar de ser propriedade e residida por padres. Os alunos tinham liberdade para pensar e expressar seus sentimentos de uma forma nada intimidadora ou forçada. Além disso, vivo em uma casa com pessoas que, por mais que não me entendem em algumas ocasiões, me permitem e me ajudam a alcançar minhas maiores satisfações. Mesmo com toda essa educação liberal, eu cresci com preconceitos internos que fazem parte de um reflexo da sociedade em que vivemos e que eu busco, diariamente, desconstruí-los.
Me vejo em tantos reflexos e o que menos me representa é o do espelho. Me observo com um olhar profundo e tudo o que eu vejo não passa do superficial. Já não sei o que eu quero, o que me acrescenta e o que me torna. O reflexo me reflete. O reflexo acha que me reflete. O reflexo não sabe que, na verdade, ele não me reflete em nada. O meu reflexo é o nada, mas o tudo me reflete.
Não gosto de criar rótulos, porque acredito que todos podem ser tudo aquilo que quiserem ser e quando quiserem. Eu mesma. Muitas vezes, eu acordo completamente diferente de como eu fui dormir. Sei lá. Gosto dessa abertura de poder viver tudo aquilo que pode me proporcionar e acrescentar sentimentos positivos e experiências benéficas.
Posso ter sentimentos através dos meus poemas. Aliás, esse é o meu outro hobby preferido. O universo da literatura e dramaturgia são tão mágicos e apaixonantes, que não consegui resistir ao entrar. Na verdade mesmo, eu queria viver da escrita livre, mas sei a dificuldade que irei encontrar na minha longa jornada. Para conseguir bancar esse luxo que é escrever, tive que escolher algo que me permitisse desenvolver ainda mais minha escrita e que me ajudasse na independência financeira.
Eu sonho em sair de casa e ter a minha própria família e meu cantinho pra cuidar. Ou melhor, eu sonhava. Hoje em dia, acho que vou sentir tanta falta dos meus pais e da minha irmã, que me peguei pensando se, realmente, quero passar por esse desapego forçado. Além do mais, não sei nem mais se quero construir minha própria família. Não que eu não queira ter filhos e um marido para chegar do trabalho e perguntar como foi o meu dia, mas acho que já existem tantas crianças abandonadas, que não faz sentido colocar mais uma no mundo, podendo mudar completamente a vida da outra. Também não sei mais se acredito no amor. Acredito no amor livre, apesar de achar que eu teria que me esforçar muito pra ter uma relação assim.
Eu gosto de pensar no coletivo. Me sinto melhor quando faço as pessoas sorrirem, principalmente se for de uma forma espontânea. Acredito que o sorriso é a porta de entrada para a verdade, assim como o olhar, mas, além disso, o sorriso consegue transmitir, de forma radiante, aquela mistura de sentimentos que dá borboletas no estômago. O que te faz mais feliz do que ver quem você gosta feliz?
Acho que comer chocolate. Sou tão viciada que posso afirmar que meu amor por chocolate chega a ser maior do que os meus sentimentos pela maioria das pessoas que eu convivo. Chocolate é sinônimo de felicidade e é a maior prova de que todos os sentidos estão ligados às emoções.
Ouvir uma música, abraçar alguém, sentir um cheiro, comer algo ou ver simplesmente qualquer objeto irá te remeter a alguma lembrança e, automaticamente, criar um sentimento dentro do seu sistema nervoso. Pelo menos é aquilo que eu acredito e que acontece comigo diariamente.
Enfim, talvez isso tudo soe um pouco psicótico e juro que busco ser o mais normal possível, mas é aquela velha história: “O pior louco é aquele que se finge de lúcido.”

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Escrito Dito

aprendi que preciso falar
tudo aquilo que, na minha cabeça, vai passar.
muitas vezes, não querem saber
e, por isso, eu gosto de escrever.
deixo por escrito
tudo aquilo que gostaria de ter dito.
aprendi que, assim,
tiro todo peso sobre mim.
e quem sabe um dia
me procuraria
pra eu, finalmente,
falar tudo aquilo que me sente…

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

(des)encontros

os encontros e desencontros
acabam gerando um confronto.
tudo o que vai, volta
me deixando esperançosa.
muitas vezes, somos obrigados
a deixar aquilo que amamos de lado.
difícil largar,
impossível não chorar.
o pensamento atordoa,
então me perdoa.
não queria ir embora,
mas preciso fazer isso agora.
acompanhada da solidão,
deixo meu coração em suas mãos.
faça bom proveito,
desde que seja com respeito
com carinho,
mas sem passarinhos.
com amor,
mas sem pudor.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Sobre o que fazer quando o destino diz que não

Chorar
não é solucionar,
mas uma forma de aliviar.
Ficar guardando
é estar se magoando,
então, continue andando.
Talvez
um pouco de lucidez
dirá que não é dessa vez.
Não acredite
e grite.
Aquilo que sente
não vai sair da sua mente,
então, sinceramente,
abre a boca e comente.
Insista
e não desista,
pode ser o amor da sua vida.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Verbalizando

Verbalizar sentimentos é ter a certeza no momento.

A demora para que isso acontecesse comprova mesmo que eu temesse.

Me proibo de dizer e, contigo, florescer.

Condeno tanto o medo, mas não sei esquecê-lo.

Me reprendo, mas queria mesmo estar vivendo.

 

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Você diz que amor não dói, amor dói no coração

Não entendo esse medo
que destrói o enredo.
A graça se perdeu
deixando apenas o próprio eu.
Nunca vi tão expresso
e confesso:
sinto falta de partes desse processo.
Além do mais, falta pouco
pros normais serem loucos.
Me entrego,
mas me deparo com o ego.
Levo a vida sem peso
sem me deixar corroer pelo medo.
Se bem me quer,
tornarei-me mulher.
Enquanto for bom pra mim,
tô bem assim.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Excelsior

Ali. Bem perto de você.

O esconderijo do sorriso.

Ele fica no canto.

Faz isso, porque é tímido.

Mas ele sempre aparece.

Pode ser que demore.

E, se você desistir, ele some.

 

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Sobre a confusão de pensamentos e suas consequências

É estranho e bastante perturbador, mas acaba sendo inevitável.

A mente de alguém que sonha viaja de uma forma que transcende as emoções.
Se torna normal sentir sem nunca ter vivido e, inclusive, confundir o real com o surreal.
O ideal acaba não existindo e essa é a melhor parte. Deixamos de raciocinar e vivemos por viver.
O peso da realidade fica mais leve e viver se torna muito mais fácil.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Sobre não ser uma pessoa fria

sentimentos fazem parte do meu dia a dia e são raros os dias em que eles não transbordam pelos meus olhos.

é difícil conviver num mundo onde todo mundo tem medo de se entregar em algum laço amoroso, enquanto eu me jogo de cabeça mesmo sabendo que pode dar em nada. pra ser sincera, nunca espero muito das pessoas. só queria que elas não tivessem esse tipo de preocupação e pudessem vivenciar momentos incríveis assim como eu faço.

despedidas são horríveis. eu acredito que elas são a pior parte de viver, mas tudo que entra na vida vai sair um dia. somos obrigados a lidar com essas perdas, mas até hoje eu sofro com elas.

não ser uma pessoa fria pode até ter suas partes ruins, mas é tão bom se encantar com qualquer coisinha e abrir um sorriso com um ato simples, que melhora a vida e torna os dias menos sofridos.
rir atoa, não que a vida esteja assim tão boa, mas um sorriso ajuda a melhorar.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.